Meu filho tem depressão: como os pais podem ajudar

Meu filho tem depressão: como os pais podem ajudar

Victoria Victoria 20 dez 2019

A depressão é, por muitos, cosiderada o mal do século, com cerca de 300 milhões de pessoas diagnosticadas ao redor de todo o mundo. São números assustadores, quando levamos em conta a parcela que esse número representa no total da população mundial.

Apesar de estar afetando cada vez mais pessoas, a verdade é que a depressão ainda causa estranhamento e muitas pessoas não sabem lidar com pessoas que têm depressão, principalmente quando isso envolve a família ou amigos próximos.

Nesse caso, os pais têm um papel fundamental na recuperação do paciente, e por isso precisam estar preparados para sempre ajudar a pessoa com depressão, evitando de todas as formas possíveis agravar ainda mais a doença.

Porém, todos sabemos que nem todo mundo sabe exatamente o que fazer para ajudar, e é exatamente por isso que neste artigo falaremos um pouco mais sobre como os pais podem ajudar filhotes que têm depressão. Continue lendo para entender ainda mais sobre o assunto.

Receba Novidades

Afinal, os pais podem ajudar um filho com depressão?

É muito normal que a pessoa com depressão pareça onipotente e diga que não precisa de ajuda, principalmente se essa ajuda estiver vindo dos pais, que muitas vezes não são compreensivos com situações que não tenham vivenciado.

Porém, os pais possuem um papel fundamental na recuperação de seus filhos, já que podem representar para eles um forte “porto seguro” emocional, em um momento de extrema fragilidade e distanciamento com a realidade.

Apesar disso, é importante que os pais saibam como ajudar, já que, mesmo com boas intenções, atitudes erradas podem acabar atrapalhando o processo de recuperação dos filhos, criando ainda mais pressão na cabeça deles.

Entenda a doença

O primeiro passo para ajudar um filho que possui depressão é justamente entender sobre o que a doença se trata, quais são as necessidades de uma pessoa com depressão, os sintomas e também os sentimentos; além de entender exatamente quais são os processos químicos que causam a doença.

Tudo isso é muito importante, já que antes de ajudar o seu filho você irá precisar principalmente entender um pouco mais sobre o que ele está passando, de forma que tudo fique mais claro e você não acabe confundindo alguns sintomas com coisas que não são da depressão, como por exemplo confundir a falta de vontade de fazer atividades com a preguiça.

Portanto, pesquise bastante sobre o assunto e entenda exatamente como tudo funciona, isso com certeza irá te ajudar a ter uma maior base sobre o tema, e consequentemente, conseguir ajudar o seu filho de maneira mais eficaz.

Converse com o seu filho

Conversar com uma pessoa que possui depressão (quando ela se sente disposta) é uma das melhores coisas que você pode fazer. Principalmente porque dessa forma ela sentirá que está fazendo terapia mais vezes na semana, e a terapia é algo que deve ser extremamente benéfico para a mente.

Pensando por esse lado, é ainda melhor falar com a mãe ou com o pai, já que essas são pessoas que passaram a vida inteira com o paciente e por isso conseguem entender ainda mais a situação que está ocorrendo.

Essa conversa deve ser leve, sobre assuntos que não envolvem a doença, como por exemplo coisas legais do dia a dia ou até mesmo assuntos que a pessoa gostava antes de ficar com depressão. Conversar é essencial para liberar serotonina, um hormônio que existe em baixos níveis no corpo de quem tem depressão.

Logo, pense bem sobre o que você irá falar, já que além de ajudar, a conversa pode acabar atrapalhando caso a pessoa que está conversando (nesse caso um dos pais) diga algo que serve como gatilho ou que não deveria ser dito, algo muito comum.

Portanto, invista em uma boa conversa e lembre-se de tratar o seu filho com muito carinho, já que essa sensação de acolhimento também faz muita diferença para uma pessoa com depressão.

Receba Novidades

Acompanhe o tratamento

Geralmente, o tratamento completo de depressão inclui terapia, exercícios físicos e remédios antidepressivos (em casos de estágios um pouco mais avançados) e é exatamente por isso que o paciente deve sempre seguir o plano de tratamento da maneira correta, já que os remédios farão mais efeito e a pessoa se sentirá melhor ainda mais rápido.

Apesar disso, é interessante lembrar que muitas pessoas depressivas acabam abandonando o tratamento com o passar do tempo, fingem que estão tomando remédio e muitas outras coisas assim, e por isso é extremamente necessário que um acompanhamento do tratamento seja feito, evitando que a pessoa não siga esse tratamento.

Geralmente, acompanhar o tratamento irá levar um pouco mais de tempo dos seus dias, como por exemplo a pausa necessária para ver se seu filho foi na academia, se ele já tomou remédio, se ele tem com quem conversar e muito mais.

Porém, apesar de levar um pouco mais de tempo, a maioria das pessoas deixa de tomar os remédios e de se tratar por conta de preguiça ou falta de apoio, e é exatamente por isso que você deve sempre ficar de olho para ver se o tratamento está sendo seguido ou não, essa é uma etapa tão importante quanto todas as outras, já que sem ela o tratamento muito provavelmente não irá para frente por muito tempo.

Portanto, continue pesquisando sobre a doença, converse com o seu filho, acompanhe o tratamento e com certeza tudo dará muito certo. A depressão é uma doença dura, mas que pelo menos possui cura e é exatamente por isso que você deve ter esperança.

Fique por dentro

Receba as novidades no seu e-mail.

icone newsletter
banner lateral

Encontre o plano ideal para você.

Veja os planos

Selecionamos os melhores planos de telefonia, internet e tv por assinatura para o seu perfil.